MEU CRIADOURO

MEU CRIADOURO
FOTO 01

terça-feira, 9 de março de 2010

REPRODUÇÃO DE CANÁRIOS DA TERRA

Reprodução do Canário da Terra.


Em contato com passarinheiros no dia a dia, tenho notado as dificuldades, dúvidas e equívocos daqueles que tentam reproduzir o Canário da Terra em gaiola.
Assim pensei em agrupar as informações, que, quando tenho oportunidade, procuro passar para os colegas.
Não pretendo ser modesto nas “pré-intenções”, uma vez que sou “canarista”, dirijo-me para quem tem o mesmo propósito de sê-lo, e, sabemos que além do canto, algo que destaca-se no Canário da Terra é a irreverência e a valentia. Talvez algumas pessoas possam sentir-se ofendidas, mas o propósito maior é que em nossa região saiamos do primitivismo, e, buscando evoluções de nossas ações, no conjunto possamos triunfar com melhores técnicas de reprodução.
Portanto, tenho como pré-intenção contribuir e desafiar os “canaristas” à reproduzir o Canário da Terra na gaiola e deixar livre os poucos que ainda podemos encontrar na natureza.
Para este propósito, acredito que a melhor contribuição a ser dada, é tornar público as técnicas de manejo que pratiquei até agora.
Basicamente os procedimentos que estarei abordando não foram desenvolvidos pôr mim, e sim pôr experientes criadores, que ao longo de quase cinqüenta (50) anos vem aprimorando-os. O que fiz foi ser suficientemente inteligente, para ao invés de permanecer repetindo procedimentos ineficazes, ou reinventando a roda, coloquei-a para girar ao meu favor.
Meu avô sempre dizia que “é importante que saibamos dividir o básico para disputar na excelência”. Assim estou convencido que precisamos aprimorar as técnicas de reproduzir cada vez mais e melhor nossos Canários, e, para aqueles que costumam participar de competições, vença apenas pela qualidade do plantel que conseguir formar.
No decorrer destas notas, tudo que estarei abordando será voltado para o sistema de reprodução em poligamia, onde com um único macho, podemos utilizá-lo para cobrir várias fêmeas. Este processo, está centralizado no manejo e nas estratégias voltadas, para que a fêmea desenvolva todo o trabalho, desde a preparação do ninho até a alimentação dos filhotes.



O folclore da reprodução.
. Pelo fato do Canário da Terra ser um pássaro de fácil manejo, e, ter uma incrível capacidade de adaptação à qualquer ambiente, isto faz com que muitos passarinheiros não procurem estabelecer um procedimento adequado, o que leva-os a um resultado tal que, se fosse bom, dispensaria a necessidade que sinto de escrever estas notas.
O viveiro.
Muitos passarinheiros afirmam que o local ideal para reprodução do Canário da Terra é o viveiro, o que eu concordaria, se fosse para ser levado em consideração, somente fatores de stress, os quais os pássaros que estão na gaiola, acabam sendo submetidos.
Mas, para o sucesso na reprodução, existem fatores muito mais importantes a serem considerados, os quais estão associados às dificuldades de manejo e de higiene:
O viveiro ocupa muito espaço;
É difícil manter a higiene e asseio, pois, para construir um viveiro de fundos e poleiros removíveis, torna o projeto mais complexo;
Dificulta para identificar anormalidades com respeito à própria saúde dos reprodutores;
Próximo dos 13 dias de idade, quando os filhotes saem do ninho, eles podem descer ao fundo, e, não conseguir voltar para o poleiro;
Usando um único macho para cobrir várias fêmeas, o resgate do macho (após cobertura) torna a operação mais trabalhosa.
Por fim, sabemos, que ninguém em sã consciencia, coloca um bom pássaro no viveiro, ocupa o mesmo na verdade com um “cheba”, e, imagine a qualidade dos filhotes que criarão.
Outros tantos “folclores”.
“... o macho precisa ficar pelo menos cinco (5) dias galando a fêmea para que ela bote cinco (5) ovos”.
Numa única galada, desde que o macho teve espaço para que atingisse a cloaca da fêmea, é o suficiente para serem fecundados todos os ovos associados a aquela postura (pôr isto é importante verificar se no momento da gala, eles estavam num poleiro com espaço para o macho posicionar-se adequadamente). Aliás, descobri recentemente que, quando o macho gala a fêmea, ele injeta uma grande quantidade de espermatozóides, os quais irão sobreviver alguns dias (aproximadamente 10 dias) no útero da fêmea, e, o número de ovos, será determinado pela quantidade de óvulos, que a fêmea encontra-se capaz de gerar naquele período;
“...esta fêmea é boa pois ela já botou ovos (botadeira!), ou, aquele macho é bom pois ele já galou fêmea (galador!)”.
Estas afirmações contrariam o senso comum, pois o que é raro, é encontrar um macho ou uma fêmea que não sejam férteis. Parece que o que é óbvio para a natureza, (inclusive para os seres humanos) torna-se exceção na passaricultura. Pôr isto insisto em afirmar, qualquer macho ou fêmea são férteis para a reprodução;
“não é necessário tanta preocupação com a alimentação do Canário da Terra, pois, ele come qualquer coisa”.
Oras, também sabemos da existência de seres humanos, que, infelizmente tem como opção alimentar somente farinha e feijão, e, mesmo sobrevivendo, todos sabemos, que não é a dieta diária mais adequada, para fornecer ao organismo humano, todos os nutrientes necessários. É hora de deixarmos de ser alpisteiros;
“...é importante criar com casais, pois o macho ajuda a fêmea a fazer o ninho e alimentar os filhotes”.
Poderia até concordar, mas de que adianta o macho estar empolgado em construir o ninho se a fêmea não está no cio, e, consequentemente o macho permanecerá construindo tantos ninhos até chegar o momento da fêmea. A ornitologia já comprovou que um fator importante para estimular a sexualidade da fêmea é o canto do macho, e, sabemos que o macho canta mais quando está sozinho na gaiola. Pôr outro lado, quando o casal está junto, é comum o macho interferir no comportamento da fêmea, impedindo que ela permaneça o tempo de que ela precisa no ninho, fazendo com que ela bote fora do ninho, abandone os ovos que estava chocando, ou até mesmo, que impeça de que ela trate dos filhotes. Se a reprodução ocorre com sucesso, antes dos filhotes estarem comendo sozinhos, a fêmea já pode estar chocando novamente, e, tratando dos filhotes que ainda dependem dela para alimentar-se, somente quando ela interrompe o choco para alimentar-se ou tomar banho. Isto certamente irá comprometer o desenvolvimento destes filhotes;
“...Cabeça de Boi, Bambu Furado, Casa de João de Barro, Cabacinha, Pedaço de Tronco Furado, etc.., são ótimos para estimular o Canário da Terra a reproduzir”. A melhor caixa ninho, ainda é esta que encontramos no mercado com dois compartimentos, pois, permitirá o manejo adequado dia a dia, e, quando os filhotes não querem ficar mais no ninho (próximo dos 13 dias), existe um espaço intermediário (na entrada) onde ele pode permanecer alguns dias, de onde consegue enxergar a mãe, e sempre que tiver fome, vem até o orifício de entrada e pede comida;
“...prefiro usar capim, raízes lavadas, fios de folha de coqueiro, palha desfiada, crina de cavalo, etc...”
Até para evitar acidentes desnecessários, está comprovado que a utilização dos fios de saco de estopa são mais adequados, pois não existe o risco de o pássaro enroscar os pés nos próprios fios.
“...observando um filhote, sei que é macho pelo bico, pelos pés, soprando a região anal, etc...”
Na verdade para identificarmos os machos presentes numa ninhada é muito simples:
1 - Um exame prévio dos ovos, facilita o reconhecimento do sexo dos filhotes que nascerão, pois, os ovos de bico redondo geram fêmeas e os ovos de bico fino produzem machos;
2 - Nos primeiros 30 dias quando a plumagem do filhote já completou-se, observando a perna do filhote, caso esteja recoberto de penugens suavemente amareladas, é um macho.

Preparação e Reprodução.


A muda de penas.
Pôr estranho que possa parecer, o momento mais apropriado para iniciar a preparação de um plantel para o processo de reprodução é na muda.
Sabemos (ou deveríamos) que na temporada de agosto a abril, para termos um pássaro fogoso, vivaz, no melhor do seu desempenho, é importante que ele faça uma muda completa (sem interrupções), e, não termine este processo com o seu organismo debilitado.
Uma grande falha, que constamos neste período, é o descaso do passarinheiro, justo quando o pássaro precisa de atenção redobrada. Embora a muda de penas, não deva ser caracterizada como uma doença, ela representa um esforço muito grande para o organismo do pássaro.
Assim:
Devemos assegurar tranqüilidade total para o pássaro, evitando sustos ou excitações desnecessárias (como encostar gaiolas de machos para verificar se continua valente);
Evitar que ele sofra variações bruscas de temperatura, devido a correntes de vento;
Uma alimentação balanceada;
Colocar água para banho diariamente, deixando ele decidir quando quer tomar banho;
Nesta época, aumenta o risco de ocorrerem epidemias de piolhos e ácaros, colocando em risco a saúde dos nossos pássaros. Uma medida providencial é utilizar vinagre semanalmente na água de banho (10 gotas por litro de água) para combater (repelir) piolhos e ácaros das penas;
Outro transtorno, são os ácaros das vias respiraórias, que no pássaro, obstrui as narinas, fazendo que respire sómente pelo bico, e, não consiga cantar. Podemos eliminar este transtorno com a utilização do Ivomecc Pour On, como trataremos adiante.
Mesmo com a plumagem nova e completa, ainda pode ocorrer alguns sintomas de febre, e, isto podemos notar pela demora de duas a três semanas para o pássaro voltar a ficar mais esperto na gaiola.
Também não podemos esquecer de que o pássaro canta 6 meses e permanece 6 meses sem cantar. Assim, não estranhe se o pássaro finalizar a muda, mostrar-se fogoso e não retomar a sua cantoria. Evite forçar o pássaro, deixando que a sua cantoria retorne naturalmente.
Superada esta fase, é chegada a hora de iniciar o preparo para a reprodução. O ócio de quase dois meses, uma alimentação mais rica em nutrientes, terá deixado o pássaro levemente obeso, e fisicamente fora de forma. Assim, para os felizardos que tiverem um espaço maior (gaiolas voadeiras ou viveiros), é adequado deixá-los voando pôr três a quatro semanas, para finalmente termos, na próxima temporada, um pássaro na sua condição ótima de fogosidade e vivacidade.
Este recondicionamento físico, é importante, para que o macho resgate a capacidade plena de seus sacos aéreos tanto para cantar, bem como para sobrevoar e galar as fêmeas. Já para as fêmeas, revigorando o tonus muscular (com este período de exercícios), dificilmente ocorrerá a inabilidade dos músculos compressores do oviduto, ocorrendo aquilo que costumam chamar de ovo atravessado.
Ainda nesta fase final de recuperação do pássaro, devemos eliminar os Ectoparasitas (piolhos e ácaros) e os Endoparasitas (vermes). O procedimento mais eficaz é a utilização do Ivomec Pour On (conhecido como Ivomec azul, não confundir com outros Ivomec que encontramos nas Agropecuárias). Utilizando uma seringa de insulina (seringa de 1 ml), seguramos a ave e pingamos 2 gotas sobre cada uma das coxas (na parte externa e mais carnuda) do pássaro. O produto penetrará através da pele e entrará na corrente sanguínea, permanecendo por 35 dias. Após a aplicação, excepcionalmente o pássaro deverá permanecer 2 dias sem tomar banho, enquanto o produto penetra através dos poros.
É adequado, fazer também um tratamento preventivo das doenças parasitárias mais comuns como Coccidiose (utilizando alguma sulfa como o Lavimed SD) e Salmonelose (utilizando algum antibiótico específico como o Biflox Gold).
Encerrada esta fase, todos estarão gozando de plena saúde, e, em condições físicas adequadas para iniciar a procriação.
Preparação das Gaiolas Criadeiras.
A gaiola ideal para ser utilizada pela fêmea na reprodução, é aquela de arame puro, com no mínimo sessenta centímetros de comprimento:
seis comedouros externos
grade separadora no meio
piso em dois níveis com grade e bandeja
pelo menos uma porta na frente e em cima para colocarmos a caixa ninho
porta em baixo para introduzirmos a banheira
porta de passagem lateral para introduzirmos e retirarmos o macho
Enfatizo todos estes detalhes, pois, os danados dos fabricantes, estão sempre alterando os modelos, disponíveis nas lojas.
A caixa ninho, deve ser aquelas de dois compartimentos horizontais, com dimensões de pelo menos 25 cm de comprimento, 14 cm de largura e 12 cm de altura. Esta caixa deve ser colocada do lado de fora da gaiola, pois deixará mais espaço interno na gaiola, e, facilitará as verificações necessárias no dia a dia. A má notícia é que precisamos mandar fazer estas caixas, pois não estão disponíveis nas lojas com estas dimensões. Normalmente as que encontramos, ou são muito maiores, ou bem menores.
Se já possuir este tipo de gaiola, faça uma limpeza removendo totalmente crostas de fezes, e, para assegurar uma higiene adequada, faça uma imersão numa solução de “LAVIFEN” pôr alguns minutos (no mínimo 3 minutos) para ter certeza de eliminar possíveis parasitos e bactérias presentes. Se você não conhecer a origem, jogue fora os poleiros velhos e substitua pôr novos. Água fervida não atende as necessidades de higienização.
Na caixa ninho, utilizando talco para repelir piolhos, jogue em toda a área onde a fêmea irá fazer a cama. Coloque também um pouco de fios, para induzir a fêmea, em qual local onde ela estará fazendo a cama. Mesmo assim, pode ocorrer, de ela iniciar a construção da cama, no compartimento de entrada, e, antes que ela termine, procure mudar para a posição correta, que ela acabará aceitando.
Quando for definir as posições dos poleiros, considere que:
Será adequado deixar um poleiro posicionado de modo a facilitar a entrada e saída do ninho;
Procure espaçá-los de tal forma que não ocorra da banheira ser alvo de fezes;
Tenha poleiros em duplicata, para que a cada quinze dias você possa removê-los e limpá-los (após lavados e secos, coloque-os pôr uns 10 minutos num forno já quente para uma assepsia), lembrando que os Coccidas só se combate com calor acima de 120ºC. Desta forma, optar por água fervente não é uma boa solução, pois não ultrapassaria os 90 ºC.


Material de cama para o ninho.
Embora a Canária da Terra, em princípio pegaria até pedaços de jornal para construir o ninho, o material ideal, e, que não gerará nenhum tipo de inconveniente, são os pedaços de fios do saco de estopa.
Procure adquirir (no caso de sacos usados) sacos que não foram utilizados em produtos com agrotóxicos. Ferva-o pôr pelo menos meia hora, ou, deixe-o por alguns minutos numa solução de desinfetante como o Lavifen (bactericida, fungicida e viricida) e coloque para secar. Uma vez seco, corte quadrados de 10 a 15 centímetros, desfie e abasteça a gaiola. Costumo desfiar todo o lote e armazena-los em potes tampados, pois desta forma estarão sempre disponíveis para uso.
Quando colocar na gaiola, coloque em abundância, e, assim que a fêmea começar a carregar os fios, não deixe faltar até ter certeza, de que ela já deu o acabamento final no ninho. Estando assegurado a tranqüilidade da fêmea, este processo leva de 3 a 4 dias.
Vale aqui lembrar alguns pontos de extrema importância:
O fato de ter sido criado, um ambiente apropriado para a reprodução, não implica que a fêmea iniciará imediatamente a construção do ninho, poderá demorar até 2 meses;
Neste momento o passaricultor passará a induzir este processo: eliminando as sementes e fornecendo somente a ração de codorna poedeira pura; além de complexos vitamínicos diários (como o Orosol), deve-se adicionar vitaminas “E” (como a LavizE) na água do bebedouro;
Esta mudança na alimentação, que desencadeará as necessárias alterações hormonais, associado com o canto de um macho, estimulará a fêmea a querer reproduzir;
Não é adequado, mesmo nestas condições, que a fêmea permaneça vendo o macho;
As gaiolas das fêmeas, poderão estar lado a lado, mas, sem que uma fique vendo a outra.
Quando a fêmea entrar no cio, ela começará a carregar os fios, desencadeando o processo de reprodução, e, a partir daí, permanecerá reproduzindo até o fim da temporada.

Postura e Incubação
O macho galando a fêmea.
Após ter percebido, que a fêmea concluiu (ou, está próximo da conclusão) o ninho, quando você mostrar o macho para ela, certamente ela abaixará pedindo gala. Procure apoiar a gaiola da fêmea num local plano (uma mesa pôr exemplo), encoste a gaiola do macho na lateral, abra os passadores e afaste-se um pouco, para que o pássaro sinta-se a vontade e vá ao encontro do outro. Quando o pássaro já está acostumado com este procedimento, as vezes, nem dá tempo de afastar-nos e o macho já está galando a fêmea.
É importante que o local onde vão ser posicionadas as gaiolas, esteja preparado para não ocorrer eventos que possam dispersar a atenção dos pássaros:
Pessoas ou animais transitando;
Outro pássaro ao alcance da vista;
Superfícies espelhadas próximas da gaiola;
Ruídos que os pássaros não estejam acostumados;
Após as primeiras vezes, você já terá preparado este altar de sedução, pois este procedimento já será rotineiro.
De um modo geral, nas primeiras vezes, este procedimento não tomará mais do que 10 minutos, com tendência a reduzir este tempo. Concluído a gala, não considero adequado, deixar o macho mais tempo visitando a gaiola da fêmea, até porque, ele terá uma tendência natural de ir até o ninho, tentando interferir no que a fêmea já concluiu. Lembre-se, uma única galada é o suficiente para definir toda a postura.
Para o macho, não é adequado, que ele faça mais do que três galas pôr dia. Se vai ser imediatamente, uma após a outra, dependerá das condições físicas, que ele se encontra naquele dia, associado ao fato, de ser um pássaro mais novo (maior vigor físico) ou mais velho.

A Postura (Botar)
Um dia após a gala, a fêmea inicia a postura. A quantidade de ovos poderá variar de quatro a seis ovos (pôr isto enfatizei antes, os cuidados desde a muda, pois, a revitalização das condições físicas da fêmea, serão determinantes na quantidade de ovos que serão postos). Poderá ocorrer de uma fêmea botar um número menor ou maior que esta média. Neste fase é importante que não falte uma farinha de ostra (poderá ser notado que ela ingere em quantidade muito maior neste período de postura), fonte importante de cálcio, que contribuirá para a formação da casca do ovo.
Para assegurar tranqüilidade a partir desta fase, você já deve ter definido a posição em que a gaiola permanecerá, considerando que:
Será evitado que ela não terá contado visual com outros canários (sejam fêmeas ou machos);
A gaiola estará posicionada num local que facilite a manutenção diária (troca de água, comida, limpeza da bandeja, verificação de ninhos, etc...);
Procure manter a gaiola no local (sem movimentá-la) desde o início da postura até a fêmea terminar de tratar dos filhotes);

A Incubação (Choca).
Durante esta fase, a fêmea permanecerá todo o tempo, deitada sobre os ovos, procurando mantê-los aquecidos. Sairá duas ou três vezes para alimentar-se ou tomar banho. Durante o período de choca, não precisamos deixar mais do que sementes para a alimentação da fêmea.
Com respeito ao banho, alguns afirmam, que não é adequado que a fêmea tome banho quando está chocando, pois, poderá gorar os ovos. Isto contradiz os principais ornitólogos, com quem pude conversar, e, considerando que tomando banho, ela manterá as penas livres de poeiras e parasitos, sou partidário do banho nesta fase.

A Eclosão (Nascimento dos Filhotes).
No período da eclosão, a fêmea procurará posicionar o seu ouvido bem rente aos ovos, e, quando o “feto” picar o ovo para sair, ela terminará de limpá-lo. Isto poderá ser notado, pois não ficam presentes na cama do ninho resíduos de cascas do ovo eclodido.
Precisamos obviamente, mudar a alimentação disponível na gaiola. No primeiro mês o filhote já adquire o tamanho de um adulto. Nesta fase, o consumo de alimento passa a ser maior, e, será importante acrescentar à alimentação normal uma boa fonte de proteínas.
Pôr uma questão de praticidade, devido à quantidade de fêmeas chocando com que lido, tenho preferido uma farinhada pronta com ovo desidratado. Com esta farinhada, tenho certeza que estarei administrando uma alimentação com todas as vitaminas e nutrientes necessários aos filhotes, e, livre de microorganismos potencialmente nocivos que podem causar mortalidade nos filhotes.
Se você optar em fornecer esta farinhada, procure assegurar que a quantidade é suficiente, mas sem exageros, para não ter futuros problemas de obesidade nos pássaros.
Nunca esqueça da importância de anilhar os filhotes entre o 6º e o 8º dia de nascimento para evitar grandes dificuldades com a anilha nº 2,8 mm, que é a correta para o Canário da Terra.
Com 17 dias os filhotes saem e já não voltam mais para o ninho, o que permite remover a caixa para limpeza e assepsia. Caso não seja possível a remoção da caixa ninho, coloque alguma obstrução que impeça o acesso da fêmea, pois ela tenderá a iniciar uma nova postura, antes de construir nova cama e receber a gala. Com 30 dias após a primeira eclosão, os filhotes já estão começando a comer sozinhos, embora ainda insistam em pedir alimento para a mãe. Assim coloque a divisória no meio separando-os da mãe, colocando comida e banheira própria para eles, pois, mesmo aqueles que ainda dependem da mãe para alimentar-se, poderão fazê-lo pela grade de separação.
Com a mãe separada, podemos recolocar a caixa ninho, e substratos para a cama. Uma vez que o ninho já esteja pronto, coloque o macho para galar, e, todo o processo de reprodução está reiniciado.
Com 35 a 40 dias de idade, transfira os filhotes para uma gaiola voadeira, onde poderão permanecer pôr até 6 meses. Para evitar ambientes stressantes, nos gaiolões de 1m a 1,20m, procure não deixar mais do que 12 filhotes juntos.
Quando os filhotes estão emancipados, prefiro já isola-los, cada um em sua gaiola, para que iniciem o desenvolvimento do canto o mais cedo possível. Não podemos nos esquecer que o órgão fonador é a seringe, uma estrutura de músculos, que precisará ser desenvolvida. Sendo assim, quanto mais precoce iniciar-se o exercício destes músculos, melhor condicionados eles estarão durante toda a sua vida canora.


Alimentação.


A alimentação básica poderá consistir de sementes diversas, e, um complemento que tenha proteína animal para substituir os insetos avidamente capturados pelas aves na natureza. Uma alternativa muito melhor será o fornecimento de grãos de alimento extrusado.

1ª alternativa de dieta:
Mistura de Sementes:
Alpiste (50%); Painço (30%); Senha (10%) e Niger (10%).
Grit para ajudar moela a triturar o alimento:
Gritizoo ou Farinha de Ostra
Complementos:
Farinhada a base de ovo desidratado: Para os adultos, em manutenção, apenas uma vez pôr semana em pouca quantidade (o equivalente a um comedor de unha). Para alimentar filhotes nos primeiros 30 dias, fornecer diariamente.
2ª alternativa de dieta:
Ração Extrusada: Esta alternativa é sem sombra de dúvidas muito mais eficiente, pois com um único grão podemos suprir todas as necessidades nutricionais do pássaro. Com a adoção desta alternativa, não teremos necessidade de complementos e os benefícios são: economia na manutenção do pássaro; torna o pássaro mais resistente as doenças corriqueiras que ocorrem nos criatórios; facilidade de manejo reduzindo o tempo dedicado.

A origem das sementes bem como os prazos de validade devem ser bem vigiados. Durante o armazenamento, fungos presentes na semente produzem toxinas que são nocivas para as aves, possuindo um efeito tóxico cumulativo. Procure estar atento para esta preocupação, que não é necessariamente a mesma do lojistas, que podem querer empurrar para a venda, produtos que já deveriam ter sidos descartados. Evite adquirir sementes nas lojas que os mantêem armazenados em recepientes abertos, expostos às impurezas presentes no ambiente. Se notar algumas sementes grudadas uma nas outras, descarte este lote, ou compre em outro lugar.


Convite ao desafio.


Acredito ser o maior desafio de nós passaricultores brasileiros, garantir que nossos netos e outras tantas gerações futuras possam ter a oportunidade de apreciar esta reconhecida paixão nacional que é o Canário da Terra.
Para isto será preciso que cada vez mais pessoas estejam reproduzindo em ambiente doméstico. Quando você opta pela reprodução doméstica, de antemão você já conhece as características do novo plantel a ser formado, com respeito à valentia e ao canto. Só pôr isto, não acredito ser válido buscar os poucos pássaros que ainda permanecem soltos na natureza, até porque só sobraram os maus cantores ou medrosos.
Toda esta síntese de técnicas que procurei apresentar, não foram desenvolvidas pôr mim, e sou muito grato a todos que procuram compartilhar comigo os seus acertos e erros. Nesta empreitada, a qual tenho me dedicado com afinco, aumentei em muito o rol de amizades, e, mais ainda, permitiu-me perceber o carinho e a paciência, que as pessoas mais importantes na minha vida (minha família), tem reservado para mim.
Como não considero este assunto encerrado, coloco-me a disposição para aprofundar possíveis discussões sobre estas notas.

Comunique-se com Canaristas de todo o Brasil !!!!!

Participe conosco do debate cotidiano no Grupo de Canários da Terra inscrevendo-se na página http://br.groups.yahoo.com/group/CTdomestico

É gratuito !!! Não há taxas de inscrição e aberto para debatermos qualquer tema voltado para a criação e manutenção deste pássaro.

Temos outros artigos disponíveis no endereço http://www.cobrap.org.br/site/artigos_cat.php?id=21 que tratam sobre outros temas voltados para a Criação Doméstica.

Se você não ainda não é um Criador Amador, ou não mantém pássaros em condições legais, consulte o Manual da Criação Amadora no endereço http://www.ibama.gov.br/sispass/sistema/Manual.pdf

Criatório Paixão Nacional

Ivan de Sousa Neto
Rua Limeira, nº 5 – B. Cidade Jardim - Campinas - SP - CEP 13.050-401 Fones: (19) 3269-6439 Criatório/ 3268-2815 Residência
Email: criatoriopaixaonacional@yahoo.com.br




1

17 comentários:

  1. olá..
    gostaria que me ajudassem com algumas duvidas sobre a reprodução de canários da terra...
    oque ocorreu é que eu estow tentando reproduzir canários,casei uma fêmea pintada que ainda não conluio a seu padrão de cor adulta com um macho que ja esta com as está ja mudou as penas e esta em seu padram de cor adulto a um mês,ela aceitou o macho eles cruzaram fizeram o ninho, até ai tudo bem....
    ela ficou meio frocada ontem a noite antes de botar seu primeiro ovo,dai ela entro em sua cambuco onde esta o ninho que ela criou,más hoje pela manhã quando fui olhar na gaiola ela botou o ovo no chão da gaiola,quando fui pegar o ovo estava quebrado devido a queda,(provavelmente ela botou o ovo de cima do pauleiro da gaiola.
    e hj pela manhã ela quando defecou eu identifiquei algumas marcas bem discretas de sangue gostaria de saber oque eu faço para que la ponha o restante dos ovos no ninho,e se é normal a presença de sangue nas fezes levando em consideração que é a sua primeira postura.

    agradeço desde já por tirarem minhas duvidas

    ResponderExcluir
  2. gostei muito do seu jeito de pensar sobre os canarios da terra eu tenho 5 filhotes de canario que em minha casa eles nascerao em uma arvore que eu coloquei um purungo e o casal de canario da terra fez o ninho teve os filhotes mais com 2 semanas de vida dos filhotes os pais sumirao e nao aparecerao eu fiquei notando na minha opiniao alguem pegou os pais deles eu achei melhor pegar e tratar deles comprei uma gaiola de criacao e os coloquei comprei uma papa de filhote e dei a eles depois de uma semana comprei racao de canario e triturei uma parte e misturei com a outra boa e coloquei logo eles comecarao a comer a racao hoje tem 2 meses e meio que eles tao comigo 2 deles ja tao graiando queria saber se posso separalos me diserao que tenho que colocar um cd que eles irao aprender nao sei muito de canarios oque eu devo fazer para deixalos em melhor estado obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mais correto seria soltar esses pássaros, já que eles pertencem a natureza. Criação de pássaros silvestres é crime.

      Excluir
    2. vende um pra mim,
      sidmarleme@yahoo.com.br

      Excluir
  3. Meu pai é um iniciante na criação de Canários da terra, gostaria de saber se tem o porque do macho comer os ovos da fêmea uma vez que põe. Ela só põe quando esta com ele e não quer chocar quando está sem ele. Gostaria de saber também se há algum tipo de incubadora para canários, qual ha temperatura certa para chocar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu casal também ficou assim, foram várias vezes tirando ovos que eram esquecidos pelo casal, cerca de 20 mais ou menos, até que um dia eu deixei de lado e prometi que ela poderia entupir o ninho de ovos que eu não daria a mínima, ela botou 4 ovos, ficou 4 dias fora do ninho e depois chocou, até agora nasceram 3 espero sair o 4º filhote até amanhã

      Excluir
  4. pequei uma femea de canario da terra verdadeiro e dps um macho o macho ainda nao esta pronto para acasalar somente a femea oque eu fasso gostaria de uma ajuda ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que a essas alturas eles devem ter cruzado, se ainda não siga tudo o que esta escrito acima, boa sorte.

      Excluir
  5. Um forum que aborta temas relacionados à Criação Doméstica de Canário da Terra é:

    http://br.groups.yahoo.com/group/CTdomestico/

    ResponderExcluir
  6. tenho um casal de canario da terra eles carregam bagaços mas não faz ninho e também não tenho certeza se ele já galou a femea o que devo fazer para ter certeza?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paciencia, eu tambem estava nessa duvida, até que um dia coloquei eles juntos numa tarde ensolarada, e eles galaram na minha frente, dias depois a femea finalizou o ninho 100% e botou os ovos! Tudo tem sua hora, só o fato de ela estar carregando bagaços e nao estar brigando com o macho já eh um sinal positivo!

      Excluir
  7. oque devo fazer para minha canaria não fica retirando as anilhas dos filhotes

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde. No final do ano passado, um amigo que mora na cidade trouxe um Canário da Terra que apareceu em seu quintal, para ficar onde moro. Vivo num sítio e nunca tive pássaros em gaiolas, já que os tenho em abundância em meu terreno, mas não soube dizer não e acabei pegando a ave para criar. Por várias vezes pensei em solta-lo, mas tenho medo que não se adapte a natureza e venha a morrer de fome. Apesar da riqueza de aves que tenho aqui, os canários raramente aparecem por essas bandas, porém a cerca de duas semanas atrás, duas fêmeas do Canário da Terra apareceram aqui e não vão mais embora. O que eu devo fazer a respeito, já que não posso solta-lo e ao mesmo tempo vejo que ele está muito "animado" com ambas? Me desculpe desde já, caso minha dúvida não caiba em seu blog, mas realmente estou sem saber o que fazer a respeito.

    Obrigado pela atenção.

    Marcos Novais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos é o seguinte, deixe a gaiola aberta, pode demorar dias para ele ir embora, ele pode sair e voltar até porque ele sabe que a fonte de comida é a gaiola, pode ser que uma hora ele vá e não volte mais para a "gaiola", ele ainda pode visitar seu quintal de vez em quando, imagine ele voltar com as fêmeas e com filhotes? Seria muito bonito.

      Excluir
  9. Pois é, Douglas. Apesar de já ter passado isso pela minha cabeça diversas vezes, tenho receio em solta-lo assim e nossa gata pega-lo, já que o pássaro é manso e muito provavelmente ficará ali, nos arredores de nosso terreno. As canários que ficam rodeando ele também são bem mansas, mas espertas e toda vez que a gata se aproxima, elas voam para longe, não sei se ele fará isso também. Cheguei a colocar a gaiola no chão próxima a gatinha e ela aparentemente não se interessou pelo Canário, assim como ele também não pareceu ter medo dela, continuou ali, passivo. Mas qualquer hora dessas vou acabar fazendo isso mesmo e vamos ver no que vai dar.

    Obrigado pela resposta.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. tenho uma caria da terra que já colocou vários ovos,chega a chocar mais os ovos não enche para tirar os filhotes,por que,acontece isso?

    ResponderExcluir
  11. Boa noite! Eu tenho um canario macho novo ele é da última epoca, ele fara um ano em novembro, buscarei esse ano adquirir uma femea ao nivel esse ano e cuida de ambos para preparalos para temporada de 2015/16 , tenho algumas duvidas. Por exemplo, como escolher uma fêmea ideal? Como saber se ambos aceitaram um ao outro? E algo que ainda num me fico muito bem exclarecido, é se o macho deve ou nao ficar junto a femea na gaiola Criadeira em quanto a femea da chocando e depois que os filhotes nascerem?

    ResponderExcluir